"Eu considero Guaraqueçaba um pequeno mundo dentro do mundo"
- Padre Mário Di Maria - (12/07/1974 - entrevista ao Jornal Diário do Paraná)

31 de outubro de 2011

31 de outubro - Dia do Saci

        Todo ano, na véspera do Dia de Todos os Santos (01/11), é comemorado o "halloween", festa realizada em muitos países, principalmente nos E.U.A, desde que levada pelos imigrantes irlandeses.

        O povo Celta acreditava que no último dia do verão (31 de outubro), os espíritos saiam dos cemitérios para tomar posse dos corpos dos vivos. Para assustar estes fantasmas, os celtas colocavam, nas casas, objetos assustadores como, por exemplo, caveiras, ossos decorados, abóboras enfeitadas...
        Por ser uma festa pagã foi condenada na Europa durante a Idade Média, quando passou a ser chamada de Dia das Bruxas. Aqueles que comemoravam esta data eram perseguidos e condenados à fogueira pela Inquisição. Com o objetivo de diminuir as influências pagãs na Europa Medieval, a Igreja cristianizou a festa, criando o Dia de Finados (2 de novembro).

Halloween no Brasil
        No Brasil a comemoração desta data é recente. Chegou ao nosso país através da grande influência da cultura americana, principalmente vinda pela televisão. Os cursos de língua inglesa também colaboram para a propagação da festa em território nacional, pois valorização e comemoram esta data com seus alunos: uma forma de vivenciar com os estudantes a cultura norte-americana.


A Bruxa que comia bebês
        Moravam num rancho, o casal e dois bebês. Numa noite de luar, faltando água, o marido convidou a esposa e foram buscar água no poço, que ficava pouco distante dali, deixando os bebês sozinhos. Ao retornarem, logo perceberam que a lua tinha sumido, ventava bastante e tinha um buraco no telhado do rancho, vendo também manchas de sangue no chão. Preocupados com os bebês, olharam no rancho do fogo e viram uma velha muito feia, com unhas enormes, despedaçando os bebês e comendo as tripas, ela ia embora levando os restos que sobravam. Então a esposa lembrou que havia esquecido de colocar tesouras debaixo dos travesseiros dos bebês.

(aluna Graciely Cristina Pires (8ª série “B”), do Colégio Estadual Marcílio Dias, no ano de 2010 .

*******

        Muitos brasileiros defendem que a data nada tem a ver com nossa cultura e, portanto, deveria ser deixada de lado. Argumentam que o Brasil tem um rico folclore que deveria ser mais valorizado.

        Para tanto, foi criado pelo governo, o Dia do Saci, que consta do projeto de lei federal nº 2.762, de 2003 (apensado ao projeto de lei federal nº 2.479, de 2003), elaborado pelo então líder da câmara do governo Aldo Rebelo (PCdoB - SP) e Ângela Guadagnin (PT - SP) com o objetivo de resgatar figuras do folclore brasileiro, em contraposição ao "Dia das Bruxas", ou "Halloween", de tradição cultural celta. Propõe-se seja celebrado em 31 de Outubro. Anteriormente, consta que iniciativas semelhantes já tinham sido aprovadas na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo e na Câmara Municipal de São Paulo.

 Quem é o saci
        O Saci-Pererê é um dos personagens mais conhecidos do folclore brasileiro. Provavelmente, surgiu entre povos indígenas da região Sul do Brasil, ainda durante o período colonial (possivelmente no final do século XVIII). Nesta época, era representado por um menino indígena de cor morena e com um rabo, que vivia aprontando travessuras na floresta.
        Porém, ao migrar para o norte do país, o mito e o personagem sofreram modificações ao receberem influências da cultura africana. O Saci transformou-se num jovem negro com apenas uma perna, pois, de acordo com o mito, havia perdido a outra numa luta de capoeira. Passou a ser representado usando um gorro vermelho e um cachimbo, típico da cultura africana. Até os dias atuais ele é representado desta forma. O comportamento é a marca registrada deste personagem folclórico. Muito divertido e brincalhão, o saci passa todo tempo aprontando travessuras na matas e nas casas. Assusta viajantes, esconde objetos domésticos, emite ruídos, assusta cavalos e bois no pasto etc. Apesar das brincadeiras, não pratica atitudes com o objetivo de prejudicar alguém ou fazer o mal.
        Diz o mito que ele se desloca dentro de redemoinhos de vento, e para captura-lo é necessário jogar uma peneira sobre ele. Após o feito, deve-se tirar o gorro e prender o saci dentro de uma garrafa. Somente desta forma ele irá obedecer seu “proprietário”.
        Mas, de acordo com o mito, o saci não é voltado apenas para brincadeiras. Ele é um importante conhecedor das ervas da floresta, da fabricação de chás e medicamentos feitos com plantas. Ele controla e guarda os segredos e todos estes conhecimentos. Aqueles que penetram nas florestas em busca destas ervas, devem, de acordo com a mitologia, pedir sua autorização. Caso contrário, se transformará em mais uma vítima de suas travessuras.
        A crença neste personagem ainda é muito forte na região interior do Brasil. Em volta das fogueiras, os mais velhos contam suas experiências com o saci aos mais novos. Através da cultura oral, o mito vai se perpetuando. Porém, o personagem chegou aos grandes centros urbanos através da literatura, da televisão e das histórias em quadrinhos.
        Quem primeiro retratou o personagem, de forma brilhante na literatura infantil, foi o escritor Monteiro Lobato. Nas histórias do Sítio do Pica-Pau Amarelo, o saci aparece constantemente. Ele vive aprontando com os personagens do sítio. A lenda se espalhou por todo o Brasil quando as histórias de Monteiro Lobato ganharam as telas da televisão, transformando-se em seriado, transmitido no começo da década de 1950. O saci também aparece em várias momentos das histórias em quadrinhos do personagem Chico Bento, de Maurício de Souza.
*******

        Caro(a) saciólogo(a), Se você apoia a sugestão da SOSACI de termos o Saci como mascote da Copa 2014, que tal encaminhar mensagens diretamente à CBF http://www.cbf.com.br/?
        O endereço da Assessoria de Imprensa (Fale conosco) é: comunicacao@cbffutebol.com.br . Sr. Rodrigo Paiva.
Veja o texo original do Mouzar Benedito

"Que tal começarmos já uma campanha para que a mascote seja o Saci? Veja as vantagens: Primeiro, não seria preciso pagar direitos autorais a ninguém. No máximo, o que poderia ser feito é um concurso para cartunistas etc, para escolher o melhor desenho. E por que o Saci?
        - Ele é a síntese da formação do povo brasileiro:
       É o mito brasileiro mais popular, o único conhecido no Brasil inteiro (Boitatá, Curupira e mesmo a Iara requerem explicações quando a gente fala deles, em alguns lugares. O Saci não). É o típico brasileiro: mesmo pelado e deficiente físico, é brincalhão e gozador.
        E tem mais:
        - no início era um indiozinho protetor da floresta. Tinha duas pernas.
       - depois foi adotado pelos negros e virou negro. A perda de uma perna tem várias histórias. Uma delas é que ele foi escravizado, ficou preso pela perna, com grilhões, e cortou a perna presa. Preferiu ser um perneta livre do que escravo com duas pernas. É um libertário, então.
        - dos brancos, ganhou o gorrinho vermelho, presente em vários mitos europeus. O gorrinho vermelho era também usado pelos republicanos, durante a Revolução Francesa. Na Roma antiga, os escravos que se libertavam ganhavam um gorrinho vermelho chamado píleo.
        Só ná tem orientais nessa história porque eles chegaram mais tarde, já no século XX. Mas dizem que já foi visto um Saci de olhinhos puxados, no bairro da Liberdade, o Sashimi.
        Você pode entrar no sítio da Sosaci que tem um monte de histórias de gente que viu o Saci, inclusive esse Sashimi (é a quarta ou quinta história).
        Então, olha aí uma proposta, pedido, convocação ou sei lá o quê: entre nessa também.
        Se você topar, vai ser uma baita força. Ajude a divulgar esta idéia e, se tiver condições, escreva, fale com quem tem espaço na mídia para que declarem sua adesão nos jornais, revistas, rádio, TV, blogues etc.
        Já pensou o Saci em camisetas no mundo inteiro? Ele provocaria muito interesse dos outros povos para a cultura popular brasileira. Coisa que esses símbolos bestas (como o dos Jogos Panamericanos) não fazem."

COLABORE:
acesse

*******
        “Eu vi uma vez o saci no mangue” – assim jura seu João Alves Batista, conhecido como João Buso, dizendo que certa vez o saci varou a canoa do seu tio num baixio, lá pros lados da Ilha das Gamelas, em Guaraqueçaba, onde habitava antigamente.
        “O Saci é um negrinho pitoco, usa um cachimbinho e não tem uma perna, olhe não sei que tirou aquela perna dele, mas que ele gosta de fandango, hô rapaz”.
        Conta que certa vez foi com seu pai, a remo, da Ilha das Gamelas, próximo a Ilha Rasa: “lá no Saco da Pedra”, e enquanto o pai fora resolver alguns assuntos, ele ficou deitado na popa da canoa e como já tinham soltado a rede, apenas esperava o momento de recolhê-la.
        "Rapaz de Deus. Decapoco escutei aquele parapapa parapapa parapapa”, se assustando e logo perguntando ao pai quando este chega na canoa. Não houve dúvidas, o pai logo confirmou: “esse aí? Vede é o saci dançando fandango”.
*******

        O saci, na cultura caiçara, é representado por um pássaro chamado fim-fim, mas ganha vários nomes diferentes: fiste, pele-pele, dianho, tinhoso, mardito. No litoral do Paraná, o fim-fim também canta para anunciar dias quentes. A crença é que não presta imitá-lo, pois se você o fizer, ele te seduz, te leva para o mato e nesse momento se transforma no fiste e dá uma surra de galho no curioso. Normalmente, isso acontece com os cachorros e, nesse caso, a recomendação é lavar o animal com água de sal e benzê-lo para que não fique desconfiado. (CULTIMAR. As lendas na educação caiçara).

REFERÊNCIAS:
A Bruxa que comia bebês - Recolhida pela Professora Morgana (língua portuguesa), para o Projeto “Traços culturais das comunidades tradicionais do litoral do Paraná e resistência frente ao avanço da modernização expropriatória impulsionada pelo capital”, no Programa Universidade Sem Fronteiras, no ano de 2010.
 
João Alves Batista (In memoriam). História recolhida por Zé Muniz para a pesquisa Fandango na alma caiçara. Inédito.
 
http://www.sosaci.org/

IMAGENS:

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.brasilescola.com/imagens/folclore/saci.jpg&imgrefurl=http://www.brasilescola.com/folclore/saci-perere.htm&usg=__aEiN62mzYgZI-ePajadxxZhJ1OA=&h=281&w=198&sz=19&hl=pt-BR&start=1&zoom=1&tbnid=SzhIocTbCw_NTM:&tbnh=114&tbnw=80&ei=1USvTv6qJsKEtgenxcCVAg&prev=/search%3Fq%3Dsaci%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26rlz%3D1R2SUNC_pt-BRBR394%26biw%3D1280%26bih%3D629%26tbm%3Disch&um=1&itbs=1

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://cdn1.mundodastribos.com/photobucket/dia-bruxas.jpg&imgrefurl=http://www.mundodastribos.com/dia-das-bruxas-halloween-31-de-outubro.html&usg=__NhdYZsmPcl7XFREHpyfR212ECP0=&h=211&w=215&sz=6&hl=pt-BR&start=4&zoom=1&tbnid=wJjgW854eSmWkM:&tbnh=104&tbnw=106&ei=LUevTrKGGMu9tgeYvfGSAg&prev=/search%3Fq%3Ddia%2Bdas%2Bbruxas%26hl%3Dpt-BR%26gbv%3D2%26tbm%3Disch&itbs=1

http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/-BT7aWwG9AVI/Tdqhat4_ZaI/AAAAAAAABoY/vJpNDVinRQM/s400/halloween-bruxas2.jpg&imgrefurl=http://wiccataubate.blogspot.com/2011/06/dia-das-bruxas-31-de-outubro-desenhos_05.html&usg=__8wEswm0d1TvPZ68tau7eX9kIyzg=&h=394&w=394&sz=26&hl=pt-BR&start=17&zoom=1&tbnid=Az9_9AsYIvxULM:&tbnh=124&tbnw=124&ei=LUevTrKGGMu9tgeYvfGSAg&prev=/search%3Fq%3Ddia%2Bdas%2Bbruxas%26hl%3Dpt-BR%26gbv%3D2%26tbm%3Disch&itbs=1

30 de outubro de 2011

Semana Cultural - Colégio Estadual Marcílio Dias (2011)

        De 24 a 29 de outubro, foi realizado no Colégio Estadual Marcílio Dias, a Semana Cultural, com palestras, diversas oficinas, atividades esportivas e culturais...
        ... a seguir algumas fotografias, tiradas pelos alunos Adriano Miranda (3 A), Diego (3 A), Marlon (5 série) e Professor Zé Muniz.


alunos do 3 ano.
*
Banda Matorrales (SESI PR - participação especial)
*
Douglas (1 ano) e Jackson (2 ano) na encenação da peça "Os Turrões".

Gabrial (7 série), Ademir (3 ano) e Professor Zé Muniz - encenando a peça "Os Turrões".
*


7 B apresentando um número de dança.
*
Donato, aluno da 7 A, apresentando seu número cultural.
*
*
Lucas (1 A)  e Gediane (3 B).
*
alunos (Nadiana, Luyane e João Antônio) da aula de violão com seu instrutor.
*
competição: futsal masculino "B".
*
Competição: Fustal feminino "A".
*
pintura do muro interno.
*
Competição: Tênis de mesa "A".
*
Oficina.
*
pintura do muro externo.


*


competição: Xadrex.
*
encerramento
sábado, dia 29 de outubro de 2011, nas dependências do Ginásio de Esportes Thomé Gabriel Sobrinho, aconteceu a cerimônia de encerramento, com entrega de medalhas aos melhores colocados nas atividades esportivas e culturais, apresentações artísticas de alunos e convidados, além do desfile do Garoto e garota Marcílio Dias 2011.
Confira algumas fotografias...
*
Encenação da peça Romeu e Julieta







*
entrega de medalhas
*
desfile Garota e Garoto Marcílio Dias
*
os familiares dos alunos se fizeram presente no evento de encerramento 

19 de outubro de 2011

ABAIXO-ASSINADO uma comunidade tradicional caiçara pede sua ajuda...

        Repasso o e-mail que recebi em minha caixa de entrada do amigo Dauro Marcos do Prado (Presidente da União dos Moradores da Juréia/SP) e peço que colaborem:

*******

     A UNIÃO DOS MORADORES DA JURÉIA (UMJ), instituição fundada em 1990 e registrada sob o CNPJ n° 57741878-0001-03, membro titular da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais – CNPCT (Brasil), instituição responsável e competente pela coordenação de políticas nacionais voltadas as comunidades tradicionais Caiçaras e de outros grupos étnicos e culturais existentes em sua área de abrangência, conforme Decreto Federal nº 6.040/2007 e A ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS DA JURÉIA (AJJ), instituição fundada em 1998 e registrada sob o CNPJ: 03.630.481/0001-07, com o objetivo de promover a Cultura Caiçara da Juréia em seu território original, ambas entidades sem fins lucrativos, sediadas a Alameda dos Guaranis, 24, Balneário Titanus – Barra do Ribeira- Iguape/SP, vem pedir sua assinatura on-line no abaixo-assinado abaixo para expressar contrariedade absoluta a continuidade do processo de EXPROPRIAÇÃO TERRITORIAL, LIMPEZA ÉTNICA – CULTURAL e VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS realizados historicamente contra as COMUNIDADES TRADICIONAIS DA JURÉIA, conforme atividades promovidas pela SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO agravado pelo apoio e financiamento do BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO (BID), através do projeto “PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR E DO SISTEMA DE MOSAICOS DA MATA ATLÂNTICA”.

Caso você tenha algo a acrescentar, favor visitar o blog da Associação dos Jovens da Juréia: http://ajjureia.wordpress.com/2011/04/03/hello-world/

segue link para assinar a petição pública:


*******
Peço a todos os leitores deste blog, que acessem o link abaixo, leiam o fato, se interem do que se passa e que possam contribuir com sua assinaytura e divulgação

Nós caiçaras agradecemos.

Zé Muniz.

15 de outubro de 2011

Dia dos Professores - parabéns aos nossos mestres

O Dia do Professor como Feriado Nacional no Brasil.
O Dia do Professor é comemorado em 15 de outubro.

      No dia 15 de outubro de 1827 (dia consagrado à educadora Santa Teresa de Ávila), Pedro I, Imperador do Brasil baixou um Decreto Imperial que criou o Ensino Elementar no Brasil.
Santa Teresa de Ávila (Irmã Carmelita e Doutora da Igreja), nasceu em 28 de Março de 1515 em Ávila e faleceu em 4 de outubro de 1582 (67 anos) em Alba de Tormes . Sua canonização na Igreja Católica aconteceu em 1622, em Roma pelo Papa Alexandre VII - Sua festa litúrgica se comemora no dia 15 de Outubro - é a Padroeira dos Professores.
*
        Pelo decreto de Dom Pedro, "todas as cidades, vilas e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras". Esse decreto falava de bastante coisa: descentralização do ensino, o salário dos professores, as matérias básicas que todos os alunos deveriam aprender e até como os professores deveriam ser contratados. A ideia, inovadora e revolucionária, teria sido ótima - caso tivesse sido cumprida.
        Mas foi somente em 1947, 120 anos após o referido decreto, que ocorreu a primeira comemoração de um dia efetivamente dedicado ao professor.
        Começou em São Paulo, em uma pequena escola no número 1520 da Rua Augusta, onde existia o Ginásio Caetano de Campos, conhecido como "Caetaninho". O longo período letivo do segundo semestre ia de 1 de junho a 15 de dezembro, com apenas dez dias de férias em todo este período. Quatro professores tiveram a idéia de organizar um dia de parada para se evitar a estafa – e também de congraçamento e análise de rumos para o restante do ano.
        O professor Salomão Becker sugeriu que o encontro se desse no dia de 15 de outubro, data em que, na sua cidade natal, Piracicaba, professores e alunos traziam doces de casa para uma pequena confraternização. A sugestão foi aceita e a comemoração teve presença maciça - inclusive dos pais. O discurso do professor Becker, além de ratificar a idéia de se manter na data um encontro anual, ficou famoso pela frase "Professor é profissão. Educador é missão". Com a participação dos professores Alfredo Gomes, Antônio Pereira e Claudino Busko, a idéia estava lançada.
        A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682 (assinado por João Goulart), de 14 de outubro de 1963. O Decreto definia a essência e razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias".

Disponível no site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_do_professor (acessado dia 15 de outubro de 2011 - ás 10:55 horas).

“Que é o professor, senão símbolo, senão exemplo? Símbolo da abnegação, exemplo de vocação humanitária! Símbolo da renúncia, exemplo da paciência! Símbolo do sacrifício, exemplo de heroísmo! Símbolo de amor, exemplo de consciência! Símbolo do sentimento, exemplo de idéias! Símbolo tranqüilo, exemplo de modéstia! (...) Benfeitor de gerações que se sucedem, da pátria que prospera, da humanidade que segue seu destino em busca de felicidade!”. Professor Alfredo Gomes
*
*
*
segue o link:
O professor é o redentor do País?

Resposta de uma professora de Curitiba à VEJA

8 de outubro de 2011

Cassado prefeito de nossa Guaraqueçaba e presidente da Câmara assume o cargo executivo

Justiça cassa prefeito e determina nova eleição em Guaraqueçaba
Quinta-feira, 13 de Outubro de 2011 22:03
Escrito por Gustavo Aquino

        O juiz Siderlei Ostrufka Cordeiro, da 6ª Zona Eleitoral, cassou os mandatos do prefeito e do vice-prefeito de Guaraqueçaba, Riad Said Zahoui e Laurival Emílio da Silva.
        O presidente da Câmara de Vereadores, Haroldo Salustiano Arruda, assumiu, na segunda-feira (10) o cargo interinamente até que sejam convocadas novas eleições.
        A cassação ocorreu no dia 6 de outubro e foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná no dia 9 de outubro.
        Riad e Lourival foram condenados em dois processos. Além da perda dos mandatos, no primeiro foram condenados por “prática de conduta vedada à agente público no período pré-eleição” e “captação ilícita de sufrágio”. Eles terão de pagar multas de R$ 10.640,00 pela prática de conduta vedada a agente público e R$ 5.320,00 pela prática de captação de sufrágio.
        No segundo processo foram condenados por “abuso do poder econômico praticado nas eleições municipais de 2008”.
        Riad e Lourival recorreram da decisão com um medida cautelar que será julgada na 6ª Zona Eleitoral, que fica na Comarca de Antonina.
       
o texto acima está disponível no sítio:
http://correiodolitoral.com/index.php?option=com_content&view=article&id=6387:prefeito-e-vice-de-guaraquecaba-sao-cassados&catid=34:manchete&Itemid=72

********
********
********

        "Fraudes causaram a cassação de 270 prefeitos no país desde 2008" - esta é a manchete do Jornal Litoral do Paraná Notícias (http://www.litoraldoparananoticias.com.br/index.php/africa/item/587-fraudes-causaram-a-cassa%C3%A7%C3%A3o-de-270-prefeitos-no-pa%C3%ADs-desde-2008) e desta vez a bela e pacata, adorada Guaraqueçaba torna-se alvo de tais lastimáveis notícias:

Links anteriores sobre o processo cassação do ex-prefeito Riad:



*

        A história política de Guaraqueçba, é confusa e cheio (ainda) de interrogações, como pode-se constatar na postagem sobre prefeitos e vereadores - http://informativo-nossopixirum.blogspot.com/2009/08/prefeitos-e-vereadores-de-guaraquecaba.html. Porém, ela mesma nos conta sobre o prefeito Ivo Santos, que teria sido cassado, já na década de 50 ou mesmo o prefeito Salim do Carmo, que no mandado de 1973/76 fica impedido de exercer o cargo de executivo por 15 dias e mais recentemente ex-prefeitos respondendo por crimes eleitorais, mau uso do dinheiro público, etc...  (http://direito2.com/tjpr/2003/out/14/guaraquecaba-tj-mantem-condenacao-de-prefeito-e-vereadores).
        Até que enfim, o povo vê realmente a JUSTIÇA acontecer e uma vez culpado que pague pelo erro que cometeu. E como diz no nosso bom e lindo hino: "da nossa história nunca hás de morrer".

1 - Guaraqueçaba, de novo! (10 out 2011 - 17:39) - Do Goela de Ouro: O prefeito de Guaraquçaba, Riad Said Zahoi (PSB), e o vice, Emilio da Silva, foram cassados pela Justiça Eleitoral. Não foi a primeira vez e os motivos são os de sempre: abuso de poder econômico na eleição de 2008. Vale recorrer. Disponível IN: http://jornale.com.br/zebeto/2011/10/10/guaraquecaba-de-novo/

        É UMA PENA. UMA CIDADE MARAVILHOSA, SER MANCHETE DE TAIS NOTÍCIAS. MAS VERDADE SEJA DITA, QUEM ESCOLHE SEU REPRESENTANTE SOMOS NÓS O POVO. E AS VEZES PAGAMOS MUITO PELAS MÁS ESCOLHAS QUE FAZEMOS. LOGO VIRÃO ELEIÇÕES MUNICIPAIS, TALVEZ SEJA A HORA DE CRIARMOS VERGONHA NA CARA, POIS SE UM PREFEITO É JULGADO POR COMPRA DE VOTOS, DOAÇÃO DE CESTAS, SEI LÁ E OUTROS FAVORECIMENTOS AOS ELEITORES, É PORQUE ESTES ELEITORES SEM VERGONHA SE DEIXARAM COMPRAR E DEPOIS TODA UMA CIDADE PAGA POR TAIS ATOS. 
        JUIZO MEU POVO E PELO AMOR DE DEUS, ANALISEMOS NOSSOS CANDIDATOS, ESTES QUE ESCOLHEREMOS PARA SEREM NOSSOS REPRESENTANTES. SE O FIZERMOS BEM, DAQUI HA ALGUNS ANOS NÃO ESTREMOS VENDO NOVAMENTE MANCHETES DE CASSAÇÃO, AFASTAMENTO, SEJA DE PREFEITOS OU VEREADORES.

        PARA CONCLUIR, UM VELHO DITADO, ATÉ HOJE PRONUNCIADO, POIS VERDADEIRO É:

"CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MERECE"

*******
15 de outubro de 2011
Caros leitores, são quase 80 postagens falando de valores culturais e históricos de Guaraqueçaba, nenhuma foi tão acessada quanto esta que fala de uma situação no mínimo complicada para nós munícipes. Em dois dias, quase 300 acessos e muitos cidadãos fazendo valer seus direitos de comentar, alguns abusando e partindo para a ignorância, ofendendo a seus prórpios representantes. Para tanto, nesta postagem foi descartado os COMENTÁRIOS com tons ofensivos. Espero que compreendam - este não é o objetivo deste blog. 

*******
25 de outubro de 2011
Estou aceitando a opinião do último comentário desta postagem. Estou deletando os 17 comentários "anônimos" ou não desta postagem, que não levam a nada.  
Apenas porque a função deste blog é informar, jamais ofender.
A opção "anônimo" foi recentemente aceita, devido aos inúmeros pedidos de leitores que queriam postar comentários, mas não possuiam contas no google. Nunca teve essa finalidade (ofensiva), de que alguns, sem coragem, se aproveitassem da oportunidade e deste blog, para causar ofensas e ou calúnias. 
Como a opção de comentar anonimamente é do blog, consequentemente minha, em nome do Blog Nosso Pixirum, peço desculpas a quem ofendido ficou com comentários maldosos de nossos leitores.

temporariamente - a opção "comentário" nesta postagem não está permitida.  

censura???????
não! respeito.
coisa que muitos leitores que comentam anonimamente demonstraram não possuir.

1 de outubro de 2011

Rafael Lopes da Silva - sua contribuição a serviço da arte.

“Guaraqueçaba e o artista”

Escreve: Salim Jorge Chede (IN: Guia Informativo e Turístico de Paranaguá).

Guaraqueçaba em 1933 – pintura de Rafael Lopes da Silva
Original: Maria Ione Barbosa (Guaraqueçaba).

        Lá ao longe, às margens do litoral paranaense, elevam-se as terras florescentes de Guaraqueçaba, outrora de próspero comércio. Naquele recanto da marinha, ao marulho das águas do oceano, vinha ao mundo no dia 24 de outubro do ano de 1905, um menino predestinado às artes: Rafael Silva.
        A vida de nosso homem da faixa litorânea embora traz consigo o grande amor à hospitalidade. F. é comum em qualquer choupana do nosso caboclo, por minguado que seja o pirão de farinha para os forasteiros que o visita.
        Passou sua infânica, em Guaraqueçaba, ao lado da gurizada amiga e despretensiosa. A natureza que adorna Guaraqueçaba é como um descortinar de belezas. Sua paisagem deslumbra o visitante e dá a impressão de que as pequenas elevações de terra inclinam-se como a querer beijar o mar, ou serem por êle beijadas.
        O arista-mirim nos seus folguedos na areia branca que avançam para a água, ficava horas em muda comtemplação, embevecido, pela maravilha do cenário, para logo reproduzir em traços, na areia, com a ajuda de galhos de araçazeiro, como se fôssem lápis, esboçando os seus primeiros ensaios.
        Contam que, certo dia estando a lançar a linha de pesca, presenciara um desses quadros dantescos, em que a natureza em fúria arrastava, levava consigo tudo quanto encontrava pela frente, fazendo estalar as verdes galharias plantadas no mangue, e do espaço afugentar as aves marinhas que em bandos, assustadas, buscavam abrigo. Despertou-lhe êste espetáculo, violenta emoção. O mocinho simples, de olhos arregalados, apressadamente foi-se para casa, ladeados de lindas jussaras e lá numa mesa, transportou para o papel o que assistira. A reprodução saira esplêndida.
        A sua vida aos poucos transformava-se. O despertador de seu amor pelas artes, deu-lhe impulso às aventuras. O ambiente em que vivia era demasiadamente acanhado para quem se achava possuido de enorme ansiedade de dar vasão aos impulsos artísticos. Algo de estranho prendia-o às terras de Guaraqueçaba, talvez os seus violeiros entoando cantigas em noites môrnas de luar, a convidar tôda gente da redondeza para o fandango.
        Rafael Silva, num breve espaço de tempo, tornara-se homem experiente e conhecedor dos intrincados problemas humanos.
        Instala um ateliê afim de garantir sua subsistência. Trabalhava sem descanso, em desenhos de propaganda comercial, até altas horas da noite, e durante o dia, ornamentando também com seu pincel o interior de luxuosas residências.
        Passam-se os anos. Atingida a idade do sorteio militar, com ela aumentava a ansiedade de se transportar para um centro ainda maior e de mais recursos artísticos. Surge, então a oportunidade almejada com a ida à Curitiba, onde prestaria o tempo de serviço nas fileiras do exército. Neste período, manifestou-se, acentuadamente, o seu gosto pelas côres.

Rua do Porto em Paranaguá (Palacete Mathias Bohn).
Acervo: Macaxeira (em formato postal).

        Levou à tela, em seu rpimeiro trabalho, o velho Colégio dos Jesuítas de Paranaguá, considerado pelos críticos de arte da época, como sendo uma obra magnífica. Foi adquirida pelo senhor Zenon leite.
        Diante do sucesso alcançado, a Prefeitura de Paranaguá, na pessoa do inesquecível prefeito Dídio Costa, resolveu subvencionar-lhe os estudos com o grande mestre Alfredo Andersen em 1930.
        Deflagrada a revolução nesse ano, não pôde prosseguir os seus estudos, tendo apenas assistida a dez aulas. Não se deixou acabrunhar, continuando nos seus intentos. A natureza do meio foi a sua grande inspiradora; produziu telas retratando paisagens marinhas.
        Na Inglaterra organizou-se um concurso de pintura sobre a Frnaça Livre. Concorreria à exposição com o retrato do General De Gaulle. Não logrou o objetivo porque o quadro fora desclassificado em virtude de conter a assinatura do pintor, o que era proibido. Mais tarde foi adquirido pela Embaixada Francesa no Brasil.
        Os seus quadros proporcionaram-lhe o ingresso na Sociedade Brasileira de Belas Artes e acham-se hoje espalhados por várias localidades do país.
        Lamentavelmente, Rafael Silva, que por várias vezes fora convidado a dirigir um grande atelier no Rio de Janeiro, só de quando em quando faz faz uso de seus pincéis. Deveria o nosso patrício, e amigo, atuar continuadamente com o mesmo ardor de outrora, que embalara os seus sonhos artísticos.

*
Leitura da Carta Régia de Paranaguá
Foto: Celso Luck
*
Acervo: Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá
foto: Zé Muniz.
*
           
        Há algumas outras citações, principalmente de FREITAS, relacionando seu nascimento ao ano de 1904, na comunidade de Morato, sendo filho de Antônio Lopes da Silva e Albina Calado da Silva. Sua mãe falece aos 21 anos, época que Rafael muda-se para Paranaguá, ainda com 12 anos de idade. Em 1926, quando servia o 9º R.A.M em Curitiba, começou a pintar.  No ano de 1928, Didio Costa – Prefeito de Paranaguá, impressionado com seu talanto, lhe doa bolsa de estudo de 05 anos (03 em Curitiba com Alfredo Andersen e 02 anos no Conservatório do Rio de Janeiro), porém estuda apenas 02 anos com Andersem, devido a Revolução de 30, na mudança do sistema sua bolsa foi cortada, quando começa então sua carreira profissional em Paranaguá.  Casou-se com Natália Costa Silva, com quem teve duas filhas professoras, Zilca e Carmem Lúcia. Paranaguá detém sua obra “Ceia de Cristo” e “Leitura da Carta Régia”, pertencente a Prefeitura Mnicipal, sendo o último no Instituto Histórico e Geográfico. Houve na Inglaterra a exposição “França Livre”, quando Rafael mandou à embaixada o retrato do General Degaulle, tendo no fundo a bandeira da França livre com a cruz de Lorena, porém havia assinado a obra, o que era proibido na exposição, ficando de fora. Alguns anos depois, a embaixada francesa lhe escreve, pedindo autorização para doar a obra ao presidente da França, o que concorda. Também um quadro seu (o interior do Convento dos Jesuítas), foi encomendado como presente ao Presidente do Paraguai, em poder do General Stroesner em Assunção.
        Rafael recebeu na Câmara de Paranaguá a medalha de ouro “Honra ao Mérito”, pelos relevantes serviços de pintor emérito prestados à cidade de Paranaguá, sendo também reconhecido como Cidadão Honorário de Paranaguá.
        Nos últimos anos, ministrava aulas de pintura e desenho, contratado pela prefeitura de Paranaguá. Rafael Lopes da Silva faleceu em 08 de agosto de 1980, deixando obras de extrema beleza.
*
Acervo da Câmara Municipal de Paranaguá
disponível em :

Arthur Bernardes – Rafael Silva / 1947 / 60×48cm / óleo sobre tela.

Washington Luiz – Rafael Silva / 1947 / 61×48cm / óleo sobre tela.
*
Acervo do Museu Paranaense

Guaraqueçaba (óleo sobre tela) - Rafael Lopes da Silva
Foto: Jhoimar Campos Silveira.

REFERÊNCIA:
1 - Guia Turístico e Informativo de Paranaguá. 2 Ed. Diretor Proprietário Azis Mansur. Paranaguá: 1962. Páginas 134, 135.
2 - FREITAS, Waldomiro Ferreira de. Paranaguá das Origens a Atualidade. IHGP: 1999.
3 - MUNIZ, José Carlos. Guaraqueçaba um pequeno mundo dentro do mundo. Obra inédita. do autor.